terça-feira, 27 de julho de 2010

SEPULCRO CAIADO


Mateus 23.25-28
25 Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! porque limpais o exterior do copo e do prato, mas
por dentro estão cheios de rapina e de intemperança.

26 Fariseu cego! limpa primeiro o interior do copo, para que também o exterior se torne limpo.

27 Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! porque sois semelhantes aos sepulcros caiados, que por fora realmente parecem formosos, mas por dentro estão cheios de ossos e de toda imundícia.

28 Assim também vós exteriormente pareceis justos aos homens, mas por dentro estais cheios de hipocrisia e de iniquidade.


Os sepulcros nos tempos bíblicos eram erigidos monumentos em homenagem ao morto. Poderiam ser algo mais sofisticado ou uma pilha de pedras bem arranjadas. Eles eram então "caiados", ou seja, pintados de branco. Isso acontecia para que o transeunte enxergasse de longe e evitasse a contaminação ritual que acontecia ao entrar em contacto com alguma coisa morta.
Jesus chamou os fariseus de sepulcro caiados, por causa da vida de hipocrisia que levavam mostrando uma imagem espiritual elevada sendo que no interior viviam um estado de sujeira e pecado.

Sepulcro caiado, por fora bonito e bem chamativo ou seja belo e bonito, mas por dentro, continha morte, sujeira, podridão.

Que o Senhor nos guarde de toda hipocrisia que nos rodeiam, pois sabemos que tem muitos que vivem uma vida de aparência. falam a verdade, mas, não vivem a verdade.

Políticos que prometem, mas, não cumprem o que prometem.

Pregadores, professores, líderes em geral que pregam, ensinam e colocam costumes que nem eles mesmos vivem o que ensinam e pregam.

Cantores que cantam só para ganharem dinheiro, mas não tem compromisso com o Senhor Jesus.

Que nós, servos do Senhor Jesus, venhamos ter uma vida sincera e real diante do Senhor. Que não vivamos de aparência, como os fariseus que demonstravam ser uma pessoa e era outra.

Que o nosso amor seja sincero com os irmãos Rm 12.9
Que o Senhor nos guarde deste mal em nome de Jesus.


Fonte: Blog Pb Antonio Uilton

2 comentários:

  1. Tão atual, posso dizer que Jesus é contemporâneo. Atualmente existe muita hipocresia, pessoas que dizem algo e não praticam, apenas para se gloriarem, já receberam sua porção.

    ResponderExcluir
  2. Os crentes de Sardes,eram fragilizados,falhos,como todos nós,e até pecavam, cometiam algum deslize em suas vidas espirituais,porém o maior motivo que levou alguns a serem reprovados pelo Senhor é que eles se tornaram relapsos e fraudulentos em suas vidas espirituais.
    Eles reincidiam em seus erros e mantinham isso como normal. A mentira para eles,já era verdade,a impureza e imoralidade,tinham gosto de santificação. Criaram em sua própria concepção,a falsa ideia de que,mesmo vivendo uma vida fora dos padrões que Deus requer,estavam sendo “usados”,como muitos,hoje,pensam. E é aí,que muitos se enganam com o engano de seus próprios corações!
    Eles já nem se arrependiam mais e nem confessavam mais os seus males. Aprendiam muito e ouviam bastante,como hoje,mas desprezavam a vivência do aprendizado,e no depósito deles só havia ferrugem. Eles não guardavam nada!Estavam aprisionados nas suas próprias concepções. Para eles,Deus não se importava com o seu modo de viver mesclado e enamorado com o mundo.
    No pensamento deles,a obra estava sendo feita e era o que mais importava para eles, naquele momento:A reputação pessoal e a aceitação por toda a congregação e o público em geral,bem como a fama,o bom nome,o prestígio,a projeção na área da música,do canto e da pregação. Sim,era tudo para eles!Porém,para Deus,não passavam de defuntos ambulantes,estavam necrosados ,espiritualmente falando. O Senhor abriu a tampa de Sardes e deixou exalar o seu fedor! Eram como sepulcros caiados!
    A energia de alguns de Sardes,era apenas a carnal,aquecida por uma nuvem de vento e vapor dissipadores por instante. Eles esqueceram que a Igreja é comparada a um candeeiro sobre o velador,e não a uma vela sobre o castiçal. O candeeiro depende sempre do seu óleo e a limpeza do seu pavio são o segredo que faz fumegar o verdadeiro poder de Deus. A vela produz energia, consumindo-se a si própria,e logo,logo se torna vazia de si. Ela depende dela mesma. A igreja depende da unção que vem do Santo!
    Ah! Se sardes pensasse assim! Sua trajetória seria outra! Mas havia ali,como hoje,remanescentes fiéis,que prezam pela sã doutrina da palavra de Deus,pela fé e no amor de Nosso Senhor Jesus! Amém!

    ResponderExcluir

Aproveite este espaço para deixar sua opnião. Pedimos que não use de palavras torpes ou faça ofensas ao Blog, nem as pessoas que estão exprimindo suas idéias. Que o Senhor lhe abençoe.
Os Inéditos
Entre, mostre, descubra, relembre, seja Inédito!